Hoje abordamos mais um clássico da arquitetura moderna – a Casa Malaparte. Mas não, não estamos aqui para dar lições de história da arquitetura! Vamos falar do ícone em que esta casa se transformou através do cinema e campanhas publicitárias.

Ainda assim, para aqueles que não conhecem bem a villa, vamos contextualizar-vos um bocadinho. A casa Malaparte, construída em 1938,  está localizada sob um penhasco em Punta Massullo, na Ilha de Capri, Itália. O proprietário, o escritor italiano Curzio, encomendou um projeto ao arquiteto Adalberto Libera, um dos grandes nomes da arquitetura racionalista italiana. Ainda assim, a autoria do projeto é posta em causa por alguns, entregando os louros ao próprio Malaparte, que se apropriou do projeto de Libera e transformou-o completamente. A casa foi construída como um refúgio, num local melancólico dedicado à contemplação e à escrita.  A casa é tão isolada que é acessível somente a pé ou de barco.

Apesar da sua solitária localização, a casa foi escolhida por Jean-Luc Godard para o filme Le Mépris (O Desprezo). A casa eleva-se a protagonista e liga-se intimamente ao guião.

Após esta grande exposição mediática, em 1997, a Casa Malaparte recebe um outro ilustre visitante – Karl Lagerfeld. Após uma estadia de cinco dias na propriedade, o designer, artista e fotógrafo lançou um livro com fotografias que tirou com uma polaroid abordando a integração da casa com a natureza.

Ano após ano deparamo-nos com novas imagens saídas da Casa Malaparte. Marcas como Hugo Boss, Saint Laurent e Ermenegildo Zegna são algumas das que apostaram neste ícone da arquitetura para produzir campanhas de moda ou perfumes.

Talvez seja a mistura entre o lúdico e o racional, ou o seu caráter místico de altar para o infinito, mas esta casa continua a habitar o nosso imaginário e a inspirar inúmeras gerações.