JAPAN HOUSE

São Paulo é uma daquelas cidades que podemos sempre voltar sem medo de cair no tédio. Há Sempre, sempre uma novidade. Desta vez não foi diferente e a novidade do ano chama-se Japan House.

Localizada na Av. Paulista - o coração financeiro e cultural da cidade - a Japan House foi criada pelo governo japonês como um palco para a apresentação da cultura japonesa contemporânea. O espaço combina as artes tradicionais, exposições, concertos, workshops e as experiências gastronómicas aos negócios e à tecnologia.

Japan House @http://cargocollective.com/flagrante


O projecto ficou a cargo do arquitecto Kengo Kuma e transmite a cultura nipónica em todos os aspectos da obra - a simplicidade, a funcionalidade, o uso inovador de materiais naturais, como o papel washi nas paredes interiores e a madeira hinoki na fachada principal. Kuma trouxe também um toque de brasilidade ao utilizar o cobogó  na fachada, pequenos blocos de betão vazado muito utilizado pelos arquitectos modernistas brasileiros para resolver questões de ventilação e sombreamento.

Japan House @http://cargocollective.com/flagrante


A base deste projecto foi a recuperação da construção pré-existente, um antigo banco de três pisos que foi completamente remodelado. A solução desenvolvida por Kengo Kuma é um prédio de quatro andares com mais de 2.500m2 de área útil. O acesso ao interior dá-se por uma pequena praça interna, como uma espécie de primeira imersão dentro deste mundo oriental. No rés-de-chão estão ainda um espaço multiusos; uma cafetaria, uma biblioteca dedicada aos mais variados tópicos relacionados ao Japão e um pequeno jardim de esculturas.

Os outros pisos abrigam algumas salas de conferências e um restaurante. Contudo, o espaço é tratado, na sua generalidade, como um grande open space. Não existem paredes fixas que separam os espaços expositivos. Kuma optou por trazer da arquitectura tradicional japonesa as Fusuma, grandes portas deslizantes que podem delimitar espaços quando fechadas ou mantê-los amplos quando abertas.

O espaço é, ao mesmo tempo, leve e acolhedor mas com um edge inovador. As exposições ESPUMA de Kohei Nawa e SATOYAMA sobre o trabalho do chef Yoshihiro Narisawa retratado pelo fotógrafo Sergio Coimbra, são sempre muito tácteis, activando todos os sentidos.



A Japan House São Paulo foi a primeira das três casas a ser inaugurada no mundo, a de Los Angeles e Londres deverão abrir no fim de 2017. Para aqueles que se estão a perguntar o porquê de a Japan House escolher São Paulo como uma das suas sedes a razão é muito simples: a cidade abriga o maior número de imigrantes japoneses do mundo.